jump to navigation

SERÁ QUE O COMANDANTE MENTIU??? março 19, 2008

Posted by JN, Rio de Janeiro in explicações, gente, não-convence.
1 comment so far

comandante-de-aviao-de-caribb-via-flicker-cc.jpg

Vôo atrasado, São Paulo/Rio, passageiros inquietos e resmungando.

Um senhor pergunta ao atendente do balcão o que estava acontecendo e o rapaz diz que a tripulação estava atrasada.

Todos que ouviram ficaram indignados e resmungaram mais ainda.

De repente o vôo é liberado e todos embarcam.

A aeronave começou a taxiar e o comandante, pelo alto falante, diz que o atraso ocorreu porque desde manhã que os controladores de vôo começaram a atrasar os vôos devido ao intenso tráfego aéreo e que agora, no final do dia, o atraso acumulado já estava em cinqüenta minutos. Pediu desculpas.

Nesse momento o tal senhor que havia perguntado o motivo do atraso antes do embarque, fica revoltado e grita: “o comandante está mentindo, ele está mentindo… eu perguntei lá fora e disseram que a tripulação estava atrasada. E agora ele inventa essa desculpa… porque ele não diz a verdade?”

Ele olha para a comissária e repete: “fala para o comandante falar a verdade”.

Silêncio constrangedor e a aeronave decola.

Será que o comandante mentiu??? 

Foto de caribb, via Flicker cc

CAROS LEITORES E COLABORADORES, novembro 24, 2007

Posted by JN, Rio de Janeiro in explicações.
add a comment

aviao-decolando-by-jordon-via-flickr-cc.jpg

Desculpem o meu sumiço, mas estive viajando, pois, afinal, ninguém é de ferro.

A viagem foi ótima (outro dia eu conto algumas histórias curiosas) e, infelizmente, voltei e descobri que tudo está na mesma ou pior. Ou seja, o nosso caos aéreo do dia a dia continua. É realmente incrível a falta de comando que existe em uma situação caótica dessas… ninguém decide nada e ainda empurra para o outro.

Quando lancei esse blog, imaginei que teria muito mais histórias bem humoradas, situações hilárias e inusitadas, do que desgraças e brigas nos aeroportos. Enganei-me. Fui “tolinho”. Eu acreditei…esse assunto é o retrato do descaso no nosso país.

Outro dia, saiu no jornal O Globo um levantamento das autoridades – ministros, que estão viajando nos aviões da FAB desde o início do apagão aéreo. O título é: “De carona com a Aeronáutica”. É uma relação enorme. E vários usaram a FAB (Força Aérea Brasileira) para ir para a própria casa. Só este ano, foram feitas 43 viagens em caráter particular nos aviões oficiais.

A ministra Marta Suplicy (Turismo), que inspirou o nome do meu blog, é a segunda de lista, pois fez 74 viagens. O primeiro da relação é o ministro Tarso Genro (Justiça) com 95 viagens, sendo oito trechos de casa para Brasília ou vice-versa. A Marta não informou se utilizou os aviões para casa.

O total de viagens de ministros este ano ainda não foi divulgado pela FAB, mas a estimativa é de já foram realizadas mais de mil. É uma vergonha.

A viagem em aeronaves oficiais garante às autoridades distância das filas e das confusões nos aeroportos durante a crise aérea. E nós, que pagamos impostos e trabalhamos todo dia, temos que agüentar a crise nos aeroportos.

O que podemos fazer? Alguém tem alguma sugestão? E vamos nós… 

JN (colocando o seu primeiro editorial no blog. Que nojo, hem?)

Foto acima de Jordon, via flickr cc

MANOBRAS AÉREAS julho 13, 2007

Posted by JN, Rio de Janeiro in explicações, não-convence, Pode isso?.
3 comments

O texto desse “divertido susto” abaixo, foi desenvolvido e encaminhado pela Michelle Monte Mor. ———————————————————————

air-race-sergio-fonseca-flickr-cc.jpg

 “Sou jornalista e há uns dois meses saí de São José do Rio Preto, interior de São Paulo, em direção ao Rio de Janeiro. No vôo de ida, tudo tranqüilo. Escala em SP e chegada no horário na cidade maravilhosa.
A minha maratona aconteceu na volta. Fui cobrir um evento no Rio e meu vôo de volta estava marcado para às 15h25. No entanto, a van que me levou para o aeroporto atrasou e chegamos lá às 15h16. Perdi o vôo. Para o meu desespero, a próxima decolagem para São José do Rio Preto, com escala em SP, seria somente às 18h55!!! E a saída de São Paulo às 22h.
Sem solução, me irritei, comprei três revistas e sentei no saguão do Santos Dumont. Na hora do embarque, tudo tranqüilo, tudo no horário. Mas o pior estava por vir. Sentei na janela. Ao meu lado, um tipo meio estranho, que não parava de mexer no cabelo e no celular. Atitudes que começavam a me irritar. Além disso, era um daqueles tipos confiados, que adoram puxar uma conversa. E eu, já cansada de ficar no aeroporto, já havia tomado uns três remédios anti enjôos. Nada de papo meu caro!

No meio do caminho, percebemos que o piloto fazia manobras estranhas (que graças ao meu dramin não causaram um estrago maior) de um lado para o outro. Nesse momento, o meu “companheiro” de poltrona olha para fora e diz: “Nossa! Você viu como aquele avião passou perto de nós? Aliás, eu nunca vi o piloto fazer tantas manobras! Acho que tem algo errado”.

Eu, achando que fosse mais um artifício para puxar papo, nem dei bola. Mas para a minha surpresa, o piloto começa a falar aos passageiros:
“Atenção senhores passageiros, aqui quem fala é o comandante Fulano de Tal. Como puderam notar (como não notar??? A aeronave fazia curvas no ar!) tivemos de fazer manobras para desviar de outros dois aviões que vinham em nossa direção. Vimos as aeronaves apesar de não ter recebido nenhum aviso do controle de tráfego aéreo. Agora já está tudo normal. Obrigado”.

Bom, depois disso, o burburinho foi geral. Principalmente do meu “colega” ao lado. “Não disse que havia algo errado? Não morremos por pouco! Isso é um absurdo!”, dizia.

Nos 20 minutos finais, rezava para chegar em terra firme. Mas ao mesmo tempo, ainda faltava mais um trecho: de São Paulo a São José do Rio Preto. Mas pensei: “Nada pode sair errado. Já basta isso que aconteceu: perda do vôo e uma quase colisão”.

Mas não terminou por aí. Cheguei em Congonhas por volta das 20h e lá fiquei até às 22h. O vôo para Rio Preto saiu no horário e estava lotado. Médicos famosos, bebês, grávidas. Bom, a superstição diz que quando há bebê à bordo Deus fica com dó e nos protege. Vamos ver…

Sobrevoando Bauru, para o meu desespero, mais manobras loucas no ar.

Dez segundos depois, lá vem o piloto de novo: “Atenção senhores passageiros, aqui quem fala é o comandante Fulano de Tal. Como puderam notar (de novo: como não notar??? A aeronave fazia curvas no ar!) tivemos de fazer manobras porque o espaço aéreo está congestionado (em Bauru????) e o Cindacta-1 pediu para que “enrolássemos” (não foi bem isso que ele disse, confesso) aqui em cima por cerca de 20 minutos. O pouso em São José do Rio Preto está previsto para às 23h15. Obrigado”.

Uma hora e quinze de vôo. Eu não ia agüentar isso tudo. Minha vontade era fazer o mesmo que o falecido João Paulo II: sair da aeronave e beijar o chão. Mas primeiro, tinha de chegar. Exatamente às 23h15 o avião aterrissou e meu dilema acabou.

Foram oito horas de sofrimento… “

Foto acima de Sergio Fonseca, via Flickr

CAROS VIAJANTES, junho 21, 2007

Posted by JN, Rio de Janeiro in explicações.
add a comment

orange-descent-flickr-joits.jpg

Criei este democrático espaço para que você que viaja de avião possa contar a sua história, seja ela agradável, uma aventura, um problema, um desespero, um escândalo, enfim, que você possa desabafar ou apenas narrar um fato curioso que tenha ocorrido nesse nosso recente e tumultuado esquema de aeroporto/espaço aéreo. Depois fique tranqüilo…RELAXA E GOZA.

Foto acima,”orande decent” de Joits, via Flickr